Publicado edital do XVIº Exame da OAB: veja as novidades!

Comentários (0)

urgenteHoje foi publicado o edital do XVIº Exame de Ordem Unificado, cuja prova da 1ª fase está marcada para 15 de março. As inscrições também começam hoje e irão até 5 de fevereiro. Clique aqui para ver o edital.

Primeiramente, a leitura do edital, numa rápida incursão, referente aos principais temas não traz novidades para 1ª fase, a não ser financeiras: aumentaram o valor da inscrição para R$ 220,00 reais!!! Para 2ª fase, temos algumas pequenas mudanças.

Mas sempre é bom frisar alguns pontos, vamos lá:

  • Poderão realizar o Exame de Ordem os estudantes de Direito que, na data de inscrição para o Exame de Ordem, estejam matriculados nos últimos dois semestres ou no do último ano do curso de graduação em Direito.

Na verdade, qualquer um pode fazer a prova, no entanto, para aproveitar o resultado somente nestas condições. Infelizmente, o STJ tem posição diferente quando se trata de concursos públicos. Somente quando da posse deverá o candidato estar preenchido com as condições que dizem respeito ao cargo.

  • Os estudantes que forem aprovados no XVI Exame de Ordem Unificado e ainda não concluíram o curso de graduação em Direito poderão retirar seus certificados de aprovação caso comprovem que a matrícula nos dois últimos semestres ou no último ano do curso foi efetivada até o dia 25 de fevereiro de 2015.

Esta estipulação de data é NOVIDADE. Nos exames anteriores não tinha isso. Meu entendimento é que pretendem limitar o aproveitamento, o que é um erro.

  • Os procedimentos para requerer o reaproveitamento do resultado de aprovação na 1ª fase do XV Exame de Ordem Unificado serão dispostos em edital complementar com publicação prevista para o dia 6 de fevereiro de 2015.

Para o pessoal que irá da repescagem, as inscrições só para 6 de fevereiro.

  • Na redação das respostas às questões discursivas, o examinando deverá indicar, obrigatoriamente, a qual item do enunciado se refere cada parte de sua resposta (“A)”, “B)”, “C”) etc.), sob pena de receber nota zero.

NOVIDADE! Mais um elemento que pode ZERAR uma questão, p.ex. Agora é OBRIGATÓRIO identificar a resposta das questões subjetivas da 2ª fase.

  • As questões da prova prático-profissional que estiverem subdivididas em itens, cada item deverá ser respondido separadamente.

Esta obrigação constava no edital do XVº Exame e foi suprimida, portanto, sem efeito algum a partir do XVIº Exame.

  • No caso de anulação de questão da prova objetiva, a pontuação correspondente não será atribuída novamente ao examinando que, no resultado preliminar, já havia computado o acerto.

NOVIDADE. Sinceramente, nota desnecessária, pois isso já era aplicado.

  • Observação: As remissões a artigo ou lei são permitidas apenas para referenciar assuntos isolados. Quando for verificado pelo fiscal advogado que o examinando se utilizou de tal expediente com o intuito de burlar as regras de consulta previstas neste edital, formulando palavras, textos ou quaisquer outros métodos que articulem a estrutura de uma peça jurídica, o uso do material será impedido, sem prejuízo das demais sanções cabíveis ao examinando.

NOVIDADE está em destaque. Acredito que “outros métodos” possam incluir Vade Mecum super coloridos, destacados, enfim, aumentando os limites do que possa a vir a considerar o recolhimento do mesmo. Portanto, MUITO CUIDADO com esta nova regra.

Pessoal, a princípio, estas são as novidades. Irei reler o edital e qualquer coisa, vou atualizando por aqui.

grito-OAB

Teremos novidades no Exame da OAB em 2015?

Comentários (0)

newsTornou-se tradição, em início de ano, uma movimentação de futuros examinandos entre boatos, especulações e expectativas do que virá acontecer no Exame de Ordem durante o período. É tal como acontece quando muitos correm às bancas para comprar aquelas revistas de horóscopos e previsões para o ano inteiro. E se o “povo quer saber”, porque vamos nos omitir?

Escolhi, assim, dois emails – que são extremos – a qual vou responder e que irá delinear a pergunta maior: “teremos novidades em 2015″? Para evitar algum tipo de constrangimento, não irei publicar os nomes dos examinandos.

1. “Professor, andei lendo em outro blog que novas disciplinas poderão ser cobradas no exame da OAB. Fiquei com receio, pois precisarei fazer a prova no meio do ano e não tive na faculdade direito eleitoral nem previdenciário, porque estas disciplinas o pessoal anda comentando que irão cobrar. Será que outras também? Me ajude, estou aflita com tal notícia.”

Meus caros, a possibilidade de inclusão de nova disciplina sempre existiu, pois diz o §3º do art. 11 do Provimento 144/2011 e que rege o Exame:

“O conteúdo das provas do Exame de Ordem contemplará as disciplinas do Eixo de Formação Profissional, de Direitos Humanos, do Estatuto da Advocacia e da OAB e seu Regulamento Geral e do Código de Ética e Disciplina, podendo contemplar disciplinas do Eixo de Formação Fundamental.”

Neste período, foi incluída filosofia do direito, portanto, outras disciplinas estão aptas a serem cobradas. Dentro do tal “Eixo de Formação Fundamental” pode vir qualquer coisa, como direito eleitoral e previdenciário. Em muitas faculdades, ambas disciplinas são optativas, o que para mim deveriam estar na grade curricular obrigatórias. Mas enfim, quando a OAB incluiu direito ambiental e consumidor, a grande maioria não tinha estas disciplinas e hoje todas têm.

Ou seja, no final das contas, a prova da OAB acaba regulando o currículo das faculdades.

Recentemente, foram publicadas mudanças sobre a avaliação dos cursos de Direito e sobre a abertura e permanência dos mesmos, disso, a OAB ganhou mais força junto ao MEC, não apenas como “palpiteira”, mas agora como “avalizadora”. Pois bem, a contar que o presidente do Conselho Federal da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho é especializado em direito eleitoral (é autor do livro “Direito Eleitoral e Processo Eleitoral”) , parece-me que há “simpatia” nesta disciplina.

Em relação ao direito previdenciário, creio que é aquela disciplina que está presente na grande maioria dos concursos para carreiras tradicionais jurídicas, e uma área que cresce muito devido ao aumento de aposentados no país. Portanto, ambas disciplinas são fortes candidatas a serem integradas.

Há também aqueles “lobistas”, associações de advogados (ou não) de determinada disciplina que buscam implementá-las na prova da OAB, como já foi relatado referente à medicina legal em outros tempos.

Portanto, a marcha de inclusão é esta e a possibilidade é bastante razoável a partir do que se pode dizer que o Exame da OAB está consolidado e sem problemas aparentes ou quando foi que você viu nos noticiários algo a respeito?

Incluo a seguinte pergunta: como ficaremos sabendo da inclusão? A princípio, pela publicação do edital, ou seja, poderá ser de “surpresa”. Mas acredito que haverá uma divulgação de nota antes mesmo para ciência das novidades, pois com filosofia do direito foi assim.

2. “Caro professor, podemos ficar preparados para uma 3ª fase da OAB?”

Sempre há este tipo de pergunta, falo de um “tipo” que surge como forma de botar medo nos examinandos. Para uma “3ª fase” seria necessário alterar o Provimento 144 e, certamente, a gritaria seria muito grande. Mas o que poderia ser esta “3ª fase”? Uma prova oral? Impossível para 10 a 30 mil aprovados numa 2ª fase. Uma fase de esforços físicos como nas carreiras policiais? Para quê, para carregar autos pelas escadarias do foro??

Portanto, não tem como se implementar uma 3ª fase. Já se discutiu em plenário na OAB da possibilidade de reunir a 1ª e 2ª fases no mesmo dia, mas acabou vencida a ideia. Creio que esta opção possa a vir discutida no futuro, pois muitos concursos já adotam esta medida para economia e testar a resistência do candidato.

Outra possibilidade é o retorno das 100 questões diante do acréscimo de disciplinas e para dificultar a prova da 1ª fase. Pode ser difícil o retorno deste modelo, pois se tornará uma prova mais cara e acredito que ninguém deseja isso.

Então, pronto para enfrentar 2015?

É possível que você tenha identificado a prova 2ª fase OAB?

Comentários (5)

identificacaoUma das questões ou talvez a mais gritante dúvida do examinando na 2ª fase da OAB após a prova, depois de saber que acertou a peça, é se de algum modo identificou a prova e, portanto, receberá um ZERO. E todo o esforço não será compensado por um “errinho besta”.

Quem diz é a própria experiência e o número de comentários do artigo “como NÃO zerar a peça” publicado em julho de 2012: mais de 1.250!!

Outros artigos seguem o mesmo tema e tiveram grande repercussão com mais de dois mil comentários, todas dúvidas de examinandos.

É importante compreender que o ZERO que a banca está disposta a distribuir baseado na tal “identificação” da prova precisa, razoavelmente, ser possível que um examinando possa atribuir tal prova a ele. Porque da preocupação? Bem, para que a correção seja transparente, que o examinador, qualquer que seja, possa avaliar uma prova sem saber de quem é ela, pois poderíamos supor que determinado bacharel pudesse avisar ou ser avisado qual é a sua prova, ela deve ser “quase” única.

Como sabemos, a correção não é “robótica”, como acontece na 1ª fase, mas humana, e como tal, é possível desvios. Assim, o caderno de resposta definitivo não é identificado. Destaca-se este conceito para que se entenda porque um RABISCO, ou pequena RASURA, ou um X numa folha inteira, ou sobrescrever uma frase riscada, ou um parênteses, ou outra forma de se expressar SEM USAR PALAVRAS é um serviço liso, comum e que muitas (mas muitas mesmo!) pessoas se utilizam.

Por outro lado, muita gente confunde avaliação com identificação. P.ex. “professor e se errei o endereçamento, tiro ZERO?” Ora, isso faz parte da avaliação e tem uma pontuação específica no espelho de correção. P.ex.2. “professor, não coloquei advogado no final ou nestes termos pede deferimento, zero a prova?” Claro que não! Isso faz parte da avaliação. P.ex.3 “troquei os nomes das partes, réu e autor, zero?” Não preciso responder…

Outro fato repercute muito: é quando se “identifica” a prova com a cidade do requente da petição, cidade esta que está no texto do problema. Assim, você coloca “Rio de Janeiro, data” (se RJ estiver no problema). Claro, que se você colocar a sua cidade de onde está fazendo a prova, ZERA. Mas, muita gente confunde e acaba adotando a cidade do problema. Bem, nossa sugestão: NÃO FAÇA ISSO, em qualquer hipótese. Explico: a possibilidade de identificar a prova é considerável, imagina se somente você e mais meia-dúzia fizeram num universo de milhares e milhares de examinandos?

Por outro lado, nossa experiência aponta que muita gente faz de forma indistinta. Assim, como ZERAR uma prova que traz Rio de Janeiro, p.ex., se mais de mil pessoas fizeram o mesmo e este seria o único critério para identificá-la? Pois é possível identificar uma prova com mais de um critério. Este problema também acontece em concursos públicos em provas dissertativas, mas lá é quase um ZERO automático. Na OAB, há relatos de gente que levou ZERO e outros não por este erro, então fica difícil dizer se outros critérios de identificação não foram considerados.

Outra coisa que nos deixa de “cabelos em pé” é quando recebemos depoimentos de gente que além de ter riscado uma folha ou parágrafo escreve alguma “nota” para explicar o que aconteceu aos examinadores. JAMAIS FAÇA ISSO. É um recurso que acaba sendo bastante personalístico, pois o que você vai escrever pode ser o único que fez em meio a 30 mil provas, p.ex.

Assim, antes de ficar desesperado, pare e pense: será o que fiz, muitos outros não fizeram? Se ficar em dúvida, pode nos mandar um email ou deixar a sua pergunta, pois respondemos a todas. No entanto, a nossa sugestão sempre é a mesma: pesquise antes da prova o que pode ser feito para não identificá-la, ok? E BOA SORTE!

Últimos suspiros antes da prova da 2ª fase OAB!

Comentários (9)

dsc04869Antevéspera da prova da 2ª fase da OAB. Calor insuportável de verão. O velho ventilador, companheiro de muitas tardes de estudos, já está pedindo água. O ar-condicionado já não sabe o que é ficar desligado. Sono? O último agradável foi à véspera do Natal, naquela ansiedade gostosa de saber o que Papai Noel irá aprontar este ano. A última lembrança de alegria foi na virada do ano, mesmo que as preocupações da prova estavam no fundo da garrafa de espumante.

Quem entrou pelas portas do fundo, com duas questões anuladas de última hora, e começou a estudar também nos descontos da partida, perdeu a noção de tempo, relógio e estado emocional. Todo o sofrimento para enfrentar um obstáculo que cresce cada vez mais quando se aproxima da ‘hora H’. Já fiz simulados, resolvi provas anteriores, dezenas de questões, gastei meia-dúzia de canetas, calos nas mãos já se misturam com as marcas do tempo, enfim, nada se compara com o temor de domingo.

E aqueles que já estão na sua derradeira prova dentro da repescagem e que caso seja o resultado negativo terão que começar a caminhada tudo de novo? Estes já assaltaram a farmácia alheia diversas vezes com rivotril, calmantes genéricos, e toda a química industrializada e caseira disponível. Benzedeiras estão garantindo suas férias para o próximo ano com a leva de examinandos que as procuram. Será o fim do mundo? Livreiros riem felizes, pois nunca venderam tantos livros para OAB de 2ª fase e Vade Mecum especializados, também, mais de 70 mil irão congestionar as vias de acesso de seus lugares de prova…

Enquanto isso, muitos não conseguem mais nem olhar para as suas anotações, esgotaram-se antes do tempo, como aqueles maratonistas que saem correndo, como tivessem fugindo da sogra, logo na partida da competição. E o pesadelo fica pior quando começam os fundamentalistas de plantão (professores e alunos) a querer adivinhar qual a maldita peça que irá cair na sua prova e transformam qualquer conversa em terrorismo. Ora, os búzios dizem que cairá uma peça jurídica e as cartamontes, alguma peça que está no edital da OAB.

Realmente, este momento é ímpar, só sabe quem já passou por ele. Eu já passei e fui um daqueles que escolheu a área porque parecia mais fácil, por isso, o meu grau de tensão estava no nível do Everest, pois não tinha qualquer ligação com a matéria. Se naquela época a preocupação era para saber se caberia mais um livro dentro da mala, hoje é se o meu Vade Mecum poderá ser usado, bobagem criada por alguns espertalhões na Idade Média, e em caso positivo, se as anotações ou marcações ou legítimas pinturas à la Monet ou Picasso serão aceitas pelos fiscais. Tudo para estruturar uma peça inicial ou recurso, pois mesmo quem já tem experiência de escritório sabe o mais importante: os atalhos de copiar e colar no teclado.

Nesta vida de examinando, em especial, prestes a enfrentar o último round do MMA da OAB, tudo gira em acertar a peça e pontuar ao menos três questões, pois o mundo que continue a girar, porque logo ali consigo entrar nele e viver feliz para sempre com uma reluzente carteira vermelha grifada “ADVOGADO” e com um lindo brasão, apesar de usarmos no dia-a-dia um cartão de plástico com aparência de um cartão de crédito, cujo maior “crédito” é ser reconhecido como “DOUTOR” ou “DOUTORA”.

Boa sorte a todos e nos encontramos nos foruns da vida.

28.957 Cargos em concursos públicos para 2015!

Comentários (2)

De acordo com uma reportagem do jornal gaúcho Zero Hora – ZH publicada hoje, apenas para o âmbito federal estão previstos 28.957 cargos conforme a LDO – Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2015, observado que não estão incluídos na conta as demissões e aposentadoria. O número é superior de 2014, que tinha a previsão de cerca de 20 mil cargos.

Segundo a matéria do jornal:

  • 13.974 são para o Poder Executivo
  • 15 mil para área da Justiça: tribunais (9.177), defensoria pública (3.897) e MPU (1.879).

Para o Poder Executivo, estão sendo esperados concursos para o BACEN, RECEITA FEDERAL (cerca de 2 mil vagas), Ministério da Fazenda, INSS (quase 5 mil, nível médio e superior), IBGE (cerca de 1 mil vagas). Ainda de acordo com ZH, 1,5 milhão é o número esperado de inscritos para INSS e Receita Federal.

Você quer uma opinião sobre como enfrentar tantos concursos? O livro Passe em Concursos Públicos 11 mil Questões Comentadas abrange mais de 30 disciplinas, 250 provas de concursos, 70 bancas organizadoras e 70% das provas a partir de 2010, incluindo nível médio e superior. Todas as questões estão numeradas. Mais informações, clique aqui.

11000-questoes-comentadas-col-passe-em-concursos-publicos_MLB-F-5277228154_102013

Missão 2015: carteira da OAB na mão!

Comentários (4)

2015Então chegamos ao final do ano, com as típicas festas que se avizinham e a esperança de um recomeço melhor ou que a caminhada positiva de 2014 se estenda em 2015. É uma época propícia para balanços, como foram minhas atividades, minha família e saúde, trabalho, estudos, o que alcancei ou deixei de alcançar, enfim, é um momento de reflexão, mas também de festividade porque estamos VIVOS, prontos para 2015 (ou quase prontos).

O que posso conquistar em 2015? Quais são os planos para nossa escala evolutiva? Onde quero chegar? O que farei para vencer os obstáculos? Realmente, nossa cabeça está propensa a distribuir opções, às vezes respostas diretas, mas muitas vezes mais dúvidas se acumulam com as velhas chagas que carregamos.

Como estamos num blog de OAB e concursos, vou tratar do que pretendemos alcançar em 2015 e que se resume num objetivo “temporário”. Alcançar a carteira da OAB é apenas uma etapa, pois serve para que possamos ir atrás de sonhos maiores, como um concurso público de uma carreira jurídica clássica ou ir bater na porta de escritórios que admiramos ou até mesmo fixar a permanência num deles.

Quem está se preparando para 2ª fase do XVº Exame, e não é pouca gente, sabe que a distração das festas pode ser uma interrupção ruim para os seus estudos, por outro lado, quem sabe não é o momento de recarregar as baterias? Para quem entrou por último depois das anulações, minha sugestão é curtir esta semana entre Natal e Ano Novo com moderação, porque não umas questões para resolver e peças para fazer?

No mais, quem irá se preparar para 1ª fase do XVIº Exame, a prova está logo ali, em 15 de março, então é buscar força e coragem e bater o martelo: 2015 é MEU! Para aqueles que estão curando as feridas da última reprovação, reitero: faça um balanço do que deu certo e errado na sua preparação a partir de uma revisão criteriosa de sua prova. Recomeçar é difícil, mas é fácil encontrar na última derrota as razões que podem levar para a próxima vitória.

Estabelecer METAS é saudável, desde que sejam possíveis. Vou passar na OAB no próximo ano e encaminhar a contratação num escritório de advocacia. Ou vou passar na OAB e preparar meu caminho para ser procurador federal! E assim, por diante. Impossível é ficar sentando, sonhando com o se eu estudasse, se eu conseguisse, pois vitórias sem suor não merecem comemoração.

Deixo estas palavras por um período de descanso no recesso e, em breve, estamos de volta. Desejo a todos um feliz NATAL e um 2015 SUPIMPA e, logicamente, com a VERMELHINHA na mão!

O novo CPC: preciso comprar um código novo?

Comentário (1)

codice-di-procedura-civileComo todo mundo já deve estar sabendo, na última terça-feira (dia 16/12) foi aprovado pelo Senado Federal o texto-base do novo Código de Processo Civil. Na quarta, dia seguinte, foi para julgamento dezesseis “destaques”, ou seja, pontos polêmicos que vieram à reboque na última instância. Deles, onze foram aprovados pelos senadores. O texto final, então, está à caminho da sanção presidencial. Estes são os fatos. Mais detalhes, sugiro a leitura da matéria do próprio Senado, clique aqui.

Pois bem. Todo novo código gera uma GIGANTESCA expectativa para quem deseja mudanças, uma GRANDE dúvida para quem está pessimista com as novidades e uma RAZOÁVEL apreensão para aqueles que terão que “reaprender” os artigos ou com a nova sistemática.

Como toda nova lei, os livros precisarão se adaptar, enfrentar uma transição. E é disso que vamos tratar. Esta transição já começou a tirar o sono de muitos, principalmente, para quem irá enfrentar provas no ano que vem. Mas se acalmem, não é bem assim.

Então as primeiras perguntas já começaram a chegar. “Professor, vale a pena comprar o Vade Mecum 2015?”. Claro! Já ouviram falar na “vacatio legis”? Pois bem, do novo CPC será de 1 ano, então, pelo cronograma da OAB de 2015, não teremos em 2015 provas com o novo CPC. O edital é claro: mudanças legislativas só podem ser cobradas antes da publicação e vigor do mesmo.

O texto vai a sanção presidencial e estão apostando que seja ainda 2014. Será que sai antes do Natal? Teremos vetos? Enfim, ainda não posso responder, mas valerá apenas o novo CPC para o final de dezembro de 2015 ou mesmo 2016. Neste caso, recomendo que quando chegarmos à esta época que invistam, então, num código atualizado.

Claro que até lá, muito já se discutiu, se escreveu e leu sobre as mudanças. É para isso que serve este período de vacatio, para assimilação.

Então, meus queridos, não há motivos para entrar em PÂNICO, pois em 2015 ainda reinará o CPC de 1973 para provas e concursos. Mas é bom alertar: não deixe para “última hora” conhecer o que se trata o novo CPC, pois é certo que as primeiras provas sob a nova legislação irão cobrar as distinções, justamente, entre os dois sistemas.

ps. estou ficando velho demais, já estudei com o Código Civil de 1916, Código Comercial de 1850 e agora o “velho” CPC.

Anularam-se 2 questões da OAB. E agora?

Comentários (0)

esqueceramPara minha surpresa, anularam duas questões do XVº Exame Unificado da OAB. Imagino que essa “surpresa” seja coletiva, pois depois de vários exames sem anulações e de uma prova que não teve “gritaria”, é praticamente um milagre estas duas anulações. É como ganhar na MEGASENA acumulada!

Claro, para quem aproveitou, em especial, quem acertou 38. Uma questão de direito administrativo que não li em lugar algum qualquer manifestação e a outra, de processo do trabalho, tinha um erro na formulação da mesma, mas que poderia ser interpretada o que o examinador queria ter dito, mas não fez. Enfim, a FGV “recuou” e aceitou que a sua prova não é perfeita, pois quando não anula passa a mensagem de perfeição.

E agora?

O Maurício Gieseler (do PEO) diz que teremos a maior 2ª fase de todos os tempos, com mais de 70 mil habilitados a fazê-la. Pois bem, é um número realmente MUITO considerável e reza a LENDA URBANA direto dos corredores da OAB que quando há um número elevado de aprovados na 1ª fase, a 2ª fase se torna praticamente IMPOSSÍVEL. Se é verdade ou não, prefiro não me posicionar, mas se no creo en brujas, pero que las hay, las hay. 

Se considerarmos a prova da OAB como um “filtro” e há muitas “impurezas” que precisam ser filtradas, o filtro precisa ser mais consistente e reforçado para fazer o mesmo trabalho sempre. Essa é uma premissa.

Diante disso, é possível entrar em pânico, pois não é de hoje que já ouvi de examinandos aprovados em lista preliminar que “anular questões não traz nenhum benefício para nós, ao contrário, a OAB será mais dura na correção”. Daí chegamos à encruzilhada: a prova será mais difícil ou a correção terá mão pesada?

Ambas situações aterrorizam para quem já vinha estudando, certamente, mas será que a OAB não está precisando de mais contribuintes para reforçar o caixa? Neste caso, a prova se manteria como está, e que já é muito difícil, e passa quem estiver melhor preparado, simples assim.

Portanto, quem sabe um certo “terrorismo” neste momento servirá para cair a ficha de quem ainda está devagar nos estudos ou iria tirar uma licença entre as festas de final de ano? A prova está logo aí, menos de 30 dias. Para quem irá começar agora com o resultado divulgado, o que vier é LUCRO! Mas abrace a causa como fosse a última de sua vida, pois se a FGV deu esta “chance” pode ser a SUA que está batendo na porta e que precisa ser aberta com a sua preparação e consequente aprovação.

A prova poderá ser mais difícil? Pode, sendo assim, prepare-se melhor. Pode ser mais fácil? Não, o mínimo será a prova do XIVº Exame.

A correção poderá ser mais exigente? Não, pois é difícil medir ou fazer de propósito um gabarito pernicioso sem que 70 mil não reclamem nas redes sociais ou na imprensa. Erros de correção sempre acontecem, então nessa ou naquela prova estará presente, infelizmente.

Por fim, mais gente fazendo a prova, maior a responsabilidade da FGV em entregar um exame razoável, transparente e condizente com os objetivos do mesmo, para mim, esta é a grande vantagem de MUITA gente ser aprovada na 1ª fase: certamente, teremos uma 2ª fase atenta a isso, o que é POSITIVO para todos!

#SeLigaNaDica

Agenda OAB

XV Exame de Ordem Unificado

  • 29.09.2014

    Publicação do Edital

  • 29.09.2014
    a
    13.10.2014

    Período de Inscrições

  • 22.10.2014

    Prazo limite para pagamento da taxa de inscrição

  • 10.11.2014

    Divulgação dos locais de realização da prova objetiva

  • 16.11.2014

    Realização da 1ª fase (prova objetiva)

  • 16.11.2014

    Divulgação do gabarito preliminar da prova objetiva

  • 02.12.2014
    a
    05.12.2014

    Prazo recursal contra o resultado preliminar da 1ª fase

  • 02.12.2014

    Resultado preliminar da 1ª fase

  • 16.12.2014

    Divulgação do gabarito definitivo da 1ª fase

  • 16.12.2014

    Divulgação do resultado final da 1ª fase (prova objetiva)

  • 05.01.2015

    Divulgação dos locais de realização da prova prático-profissional

  • 11.01.2015

    Realização da 2ª fase (prova prático-profissional)

  • 11.01.2015

    Divulgação do padrão de resposta preliminar da prova...

  • 03.02.2015

    Divulgação do padrão de respostas definitivo e do resultado...

  • 04.02.2015
    a
    07.02.2015

    Prazo recursal acerca do resultado preliminar da 2ª fase

  • 15.02.2015

    Descrição dos recursos acerca do resultado preliminar e divulgação...